Bullying – Francisco Daudt

Ver uma criança crescer é como assistir a história da espécie em câmera rápida. Depois de um tempo, ela se põe de pé, começa a falar e agir como o troglodita que um dia fomos (fomos?): não tem os polimentos da civilização, não é hipócrita, demonstra seus sentimentos sem máscaras, tem raiva, bate, morde, chora, é possessiva, ciumenta, come com as mãos e estranha quem não é da sua tribo (a família).

Até hoje, entre tribos de caçadores-coletores da Papua Nova Guiné, se dois estranhos se encontram numa trilha, começam a desfiar seus parentes um para o outro, na tentativa de encontrarem algum em comum. Se não encontram, partem para uma luta de morte: o estranho é o inimigo.

Mas está chegando o momento histórico em que o troglodita se aproxima da Cidade-Estado, criada há 10.000 anos no crescente fértil da mesopotâmia, onde a espécie, por ter domesticado plantas e animais (inventando a agricultura e a pecuária), não precisa caçar nem coletar, não precisa ser nômade, pode se estabelecer num só lugar onde estranhos convivam, e até cooperem, em vez de lutar. Este lugar, para a nossa criança, é a escola.

O choque cultural é inevitável. Lembro que uma paciente propagandeava as vantagens da escola para sua filha, onde ela iria encontrar “amiguinhos” para brincar. “E então?” perguntou à filha, que voltava de seu primeiro dia escolar. “Mãe, os ‘amiguinhos’ mordem! Os ‘amiguinhos’ batem!”

E os “amiguinhos” se estranham, pela aparência diferente. É assim que começa o bullying. Apelidos, agressões, lei do mais forte, alunos que atacam professores em bando, professores que molestam alunos, que incentivam maus tratos (quando o nome muda para “assédio moral”, base para processo na Justiça, algo a ser resolvido fora da escola).
Sabemos disso, mas, por que isso vem se tornando mais problemático?

Tenho uma hipótese histórica. Quando a Cidade-Estado foi inventada, a principal mudança civilizatória na vida do troglodita foi que, para conviver com estranhos, teve que abrir mão de fazer justiça por si mesmo, e a violência se tornou monopólio do Estado.

Ele estabelecia leis a serem cumpridas, e punições para seus transgressores, sob o comando da Autoridade máxima, (o Tirano, um título, não um xingamento). Não existe, portanto, civilização sem lei, sem direitos e deveres, sem punição para os transgressores, sobretudo, não existe civilização sem “Autoridade”.

Sabemos intuitivamente disso, quando dizemos que pais bananas produzem filhos trogloditas. A democracia, ao tomar horror do tirano, muitas vezes confunde autoridade com autoritarismo, e assim, deixa de exercê-la. Resulta em um pudor e uma leniência com a aplicação da lei, que tolera a existência de “black blocs”, invasores de propriedade alheia, depredadores de bens públicos e particulares… e bullying.

A escola precisa ensinar civilização. Precisa de ter autoridade clara, leis claras, punições correspondentes executadas. É uma oportunidade de ensinar que a democracia não pode ser banana, caso contrário se perderá, e a tirania retornará.

Francisco Daudt, psicanalista e médico, é autor de “Onde Foi Que Eu Acertei?”, entre outros livros. 

Este post foi postado em Destaque, Educação por tucano. Marcador permalink.

About tucano

Marcos das Neves "Tucano". Professor há 42 anos, biólogo, sanitarista, especialista em administração escolar, gestão de conteúdo e logística da informação. Pai de quatro filhos e apaixonado pela esposa, família, educação e tecnologia educacional. Idealizador do Colégio Integrado Jaó, do Método Nintai de Sistematização de Conteúdo e, atualmente, Superintendente Executivo de Educação do Estado de Goiás.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *